Notícias

ibeu-visita-pequena-africa
24 de abril de 2018

Alunos do Access – IBEU Rio visitam a Pequena África

Para celebrar o Black History Month em fevereiro, os alunos do programa Access do Ibeu Campo Grande e Freguesia fizeram um passeio pela Pequena África no centro do Rio de Janeiro. O passeio foi guiado por Thais Pinheiro da agência de turismo de base comunitária, Conectando Territórios, acompanhado pelas professoras do Ibeu por três membros do consulado Americano do Rio. O passeio começou pelo Cais do Valongo, situado na Praça Jornal do Comércio. Lá os alunos aprenderam que esse lugar representa a chegada dos africanos ao Brasil. Em seguida, os alunos visitaram o Jardim Suspenso do Valongo, situado na Ladeira do Valongo. Ao seu redor, havia casas de engorda e um vasto comércio de itens relacionados à escravidão. Os alunos aprenderam sobre a grande contribuição dos negros para a nossa história e sobre a origem da palavra “favela”. Depois os alunos visitaram a casa de Tia Ciata, importante dama da história afrocarioca. Sua neta conversou com os alunos sobre a importância de se dar aos negros escravos da época um enterro digno. Após esse momento, seguiram para a Praça Harmonia onde a guia conversou com os alunos sobre um momento histórico conhecido como a Revolta da Vacina. Saindo da Praça Harmonia, os alunos visitaram o Instituto dos Pretos Novos (IPN), onde assistiram a um vídeo sobre os achados arqueológicos do IPN. Esse sítio arqueológico foi descoberto em 1996, quando moradores reformavam a casa. Arqueólogos identificaram milhares de fragmentos de restos mortais de jovens, homens, mulheres e crianças, africanos recém-chegados. Os alunos ficaram muito impressionados ao saber que o local é considerado o maior cemitério de escravos das Américas. Depois desse vídeo eles visitaram os restos mortais de vários escravos que foram encontrados no local onde o Instituto foi fundado. Além de ossos humanos, havia também pertences dos pretos novos, como restos de alimentos e objetos de uso cotidiano descartado pela população. A visita à Pequena África proveu aos alunos um momento concreto de aprendizagem  estabelecendo um ganho cultural e histórico de suma importância para todos eles, além disso, eles ainda tiveram a oportunidade de praticar inglês com nativos  num momento real de uso da língua.